CONEL

A Comissão organizadora do Conselho Nacional dos Estudantes de Letras (CoNEL) convoca os Centros Acadêmicos e Diretórios Acadêmicos de Letras à comparecerem nos dias 18, 19 e 20 de abril na Universidade Federal de Goiás (UFG) para o CoNEL 2014. Solicitamos que todos os CAs e DAs confirmem com antecedência sua vinda, para que possamos com base nesses números, organizarmos o espaço e a alimentação.
O custo para o CoNEL será somente com a alimentação, o transporte poderá ser pedido à universidade, compreendendo que é dever dessa encaminhar seus/suas estudantes para formularem coletivamente em prol de uma educação melhor e profissionais mais capacitados que pensam criticamente a sociedade que estão inseridos.
Não esqueçam da documentação: carta da gestão atual, devidamente assinada, comprovando os nomes dos seus/suas representantes com seus números e comprovantes de matrícula.
As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: conel2014@gmail.com.

A convocatória completa está aqui: Convocatória CONEL

Anúncios

CADELIN

1947744_10203604670541438_1421707469_n
CADELIN

Você leu a palavra acima e remeteu a “cadela” ou “cadelinha”? Pois saiba que ela é uma forma variante da pronúncia desta última, utilizada sobretudo no nordeste brasileiro, e que não há qualquer problema nisso!!!
O Primeiro Congresso Amapaense de Despreconceituação Linguística, ou CADELIN, é um evento que mescla a necessidade científica de se discutir o assunto “variação linguística” com a necessidade política de apresentar e debater acerca do “preconceito linguístico”.
Idealizado pelos Executivos Amapaenses dos Estudantes de Letras como forma de apresentar a ExNEL (maiores informações em: exneldotorg.wordpress.com) e a sua bandeira de luta do “respeito às variantes linguísticas” aos que as desconhecem, o evento é apoiado pelo Centro Acadêmico de Letras Vinícius de Moraes – CALVIM, do Instituto de Ensino Superior do Amapá – IESAP, e tem uma Comissão Organizadora que conta com estudantes de quatro das cinco Instituições de Ensino Superior que ofertam Letras Licenciatura no Amapá, no caso, a FAMA, a FAMAT (Santana), o IESAP e a UEAP.
Previsto para durar duas tardes, nos dias 10 e 11 de abril de 2014, no IESAP, o evento oferta a possibilidade de submissão de comunicações sobre o tema, bem como duas palestras e uma mesa redonda.

Maiores informações, como sobre o regulamento para a submissão de comunicações, as inscrições, a programação e os convidados no site do evento:

cadelin2014.blogspot.com.br

EPEL 2014 – Soure

10014562_254828854699583_1723390927_nO XVII Encontro Paraense dos Estudantes de Letras (EPEL) é o fórum estadual da Executiva Nacional dos Estudantes de Letras (ExNEL), no qual são postas em prática algumas das ações deliberadas nacionalmente, no Encontro Nacional dos Estudantes de Letras (ENEL), destinadas a organizar os estudantes em defesa do Ensino Público gratuito e de Qualidade, o que significa lutar pela excelência da formação profissional. Assim, o evento será de cunho acadêmico-extensionista e de natureza tridirecional: interdisciplinar, político e cultural.
Neste ano, o EPEL será realizado na cidade de Soure, situada no maior conjunto de ilhas da Terra, o arquipélago do Marajó. Soure é o maior município dentre os dezesseis que compõem o arquipélago, dos quais oito integram a lista dos cinquenta piores IDH’s – Índice de Desenvolvimento Humano – do Brasil. Neste sentido, o XVII EPEL, ciente de que as melhorias necessárias para a mudança dessa realidade devem partir da Educação, propõe o tema “Cultura e Educação: o conhecimento rompendo as barreiras do Marajó”, cujo intuito é promover entre os estudantes desta região, e os provenientes das demais, diálogos que ampliem os conhecimentos acerca das problemáticas da educação local e nacional durante o período em que estiverem participando da programação acadêmica, política e cultural do encontro. As palestras, as mesas redondas, os grupos de discussão e as atividades culturais, visão estimular a troca de conhecimentos e experiências entre os estudantes presentes, de modo que retornem às suas cidades de origem com um olhar mais atento e ampliado sobre a realidade da região marajoara e do Brasil.

Todas as informações encontram-se aqui: http://epelsoure2014.wix.com/epelsoure.
As inscrições estão abertas! Participe!

Carta aos Estudantes de Letras

Carta aos estudantes de Letras: informes sobre os Encontros.

A Executiva Nacional dos Estudantes de Letras vem repassar alguns informes importantes aos estudantes de Letras de todo o Brasil.

Para começar, é preciso, anteriormente, voltar ao ENEL Manaus em 2013, no qual tivemos uma participação mínima de estudantes de outras Instituições, o que ocasionou uma grande quantidade de vacância dos cargos da executiva, desde os estudais até os nacionais, dificultando o trabalho dos que se dispõem a construir o movimento estudantil na Letras.

Depois do ENEL Manaus, eleita a Executiva 2013­2014, iniciamos nossos trabalhos e passamos por um período de organização interna, reuniões e debates em volta de assuntos organizacionais, dentro de uma lógica burocrática que estamos enfim saindo.

Nesse processo de olhar para si, percebemos o quanto a comunicação com os estudantes foi agravada, o que é prejudicial, pois somos estudantes e dialogar com os nossos pares é o pilar da entidade que queremos.

Assim, com os debates que temos feitos, entendemos que há tarefas emergenciais para a reorganização do MEL (Movimento Estudantil de Letras) e são:

1 – Formar quadros que defendam o projeto de emancipação humana, construindo lutas e formas organizativas prioritariamente junto aos trabalhadores, mas sem abandonar ou colocar em segundo plano os espaços em que estão inseridos;

2 – Construir campanhas e lutas que tenham como centralidade as demandas específicas dos cursos de Letras, Libras e Tradução e, a partir delas, avançar no grau de consciência e organização dos estudantes de Letras. É nessa perspectiva que devemos construir a campanha, bandeira da ExNEL, pela “Valorização do profissional de Letras”, compreendendo e utilizando­se das contribuições de outras executivas, como a de Educação Física (ExNEEF) e a sua campanha pela “formação unificada”;

3 – Construir espaços organizativos locais que não podem se limitar a construção de CA’s e DA’s, pois

Vitória, 06 de Fevereiro de 2014.

entendemos a necessidade de construir coletivos que reúnam estudantes de Letras por cidade, zona ou região;

4 – Construir atividades constantes de formação e formulação, entendendo que esta tarefa não é simples e não pode ser feita sem militantes preparados para os embates práticos e teóricos dentro da realidade de Letras e da classe trabalhadora. Não podemos defender uma atuação espontaneísta e pragmática (sem teoria) e nem uma teoria sem a tentativa de aplicação na prática.

Essas tarefas, ao nosso ver, devem ser construídas e colocadas não só nos espaços organizacionais da ExNEL, mas, principalmente, nas instituições federais e particulares. A prática virá com a união dos estudantes de Letras, apenas com o envolvimento de todos conseguiremos (re)construir os espaços da Executiva para focá­los nas necessidades de uma formação humanizada e nas transformações que queremos da nossa sociedade atual. No entanto, a tão falada união está inserida num espaço de organização, que atualmente não reflete os quatro pontos essenciais. Por isso, a necessidade constante de um envolvimento maior dos estudantes na executiva.

O formato organizacional seguido pela ExNEL, o qual propomos mudança, é envolta dos Encontros (estaduais, regionais e nacionais) e Conselhos de entidades base em nível regional e nacional também.

O modelo de Encontros colocado em prática tem por intuito debater o movimento estudantil, trocar saberes acadêmicos e dialogar com todas as expressões culturais. No entanto, o que de fato temos são espaços políticos esvaziados e Encontros vistos apenas como alojamento e alimentação barata, ótimo para turistar e aproveitar as festas.

Já os Conselhos de Entidades nacional (CoNEL) e os regionais (CoREL’s) são espaços horizontalizados que se propõem discutir, elaborar e realizar ações coletivas, em que o peso maior da votação é dos Centros e Diretórios Acadêmicos, por compreender que são esses que estão na militância diária e no trabalho de base direto. Os Conselhos têm por responsabilidade também discutir questões estruturais da executiva, como exemplo: definir os rumos do ENEL (no CoNEL) e do EREL (no CoREL), homologando qual será a escola sede dos Encontros com a apresentação do projeto e da carta da Instituição ­ ou caso não seja homologado, por falta de apresentação dessas documentações, deve ser tirado uma nova escola sede e data para os Encontros. Todavia, poucas entidades de base têm se feito representar nesses espaços, o que acarreta um empobrecimento do debate e uma dificuldade de se colocar em prática as perspectivas tiradas, além de pouco conhecimento da base dos estudantes de Letras pela Executiva.

Ok, mas cadê os informes?!

Tendo o conhecimento das problemáticas, das perspectivas e da forma como a executiva atua e, principalmente, quer atuar, viemos informar sobre as diversas perguntas que recebemos ou lemos em algum grupo da Letras nas redes sociais a cerca dos próximos espaços da ExNEL.

Primeiramente, temos que deixar claro que as datas que estávamos acostumados com Encontros estaduais, regionais e nacionais não serão sempre seguidas em 2014. O calendário atípico que o Brasil tem

para o ano da Copa e, provavelmente, ano de grandes manifestações, as quais estaremos envolvidos, isso somados às dificuldades de organização interna já relatados e o calendário ainda de greve de muitas Instituíções federais, nos fizeram atrasar os Conselhos de Entidades e por conseguinte as confirmações das datas e dos locais dos Encontros Regionais e Nacional, já que a homologação depende da apresentação dos documentos na plenária final dos Conselhos por parte das respectivas Comissões Organizadoras (CO).

O processo de organização dos Conselhos e convocação das entidades de base e dos estudantes de Letras está em andamento, tudo será repassado oficialmente via convocatória e cartaz pelos grupos no facebook da ExNEL e site (exnel.com). Assim, logo após o CoNEL e os CoREL’s, a executiva divulgará juntamente com as respectivas comissões organizadoras os locais, datas, programações e como se inscrever nesses Encontros.

Agora, precisamos dialogar sobre a questão do local do ENEL, para que os Estudantes de Letras não fiquem com dúvidas sobre o posicionamento tomado por uma maioria de executivos e estudantes de Letras na reunião do dia 02 de fevereiro.

Na plenária final do ENEL em Manaus foi deliberado que a próxima escola sede seria São Paulo, os responsáveis (CO) deveriam apresentar o projeto e a carta da Instituição apresentando o aceite do Encontro. Nos trâmites definidos por Estatuto, a Comissão Organizadora do ENEL teria que, junto com a Executiva, organizar todo o material, porém, a situação foi outra. Os responsáveis pelo ENEL SP, alguns inclusive executivos, se afastaram da ExNEL, começaram a não participar das reuniões, as quais tinham como ponto de pauta o ENEL, além de não responderem como devido as indagações dos estudantes no grupo ENEL SP no facebook, e muito menos dos Executivos que tentavam ajudar e obter informações sobre a organização do Encontro.

Esclaremos aqui, então, o art 22o do Estatuto que nos rege e que cabe a Executiva seguir:

Art. 22o ­ A escola que desejar sediar algum fórum da ExNEL deverá, no momento da defesa de sua candidatura, apresentar preferencialmente os seguintes documentos:
I ­ Carta de aceitação da instituição de origem;
II ­ Projeto do fórum, com os seguintes itens:

A) Indicativo de data;
B) Disposição geográfica do campus e, neste, das áreas a serem utilizadas para o fórum.
III ­ Apresentação dos nomes dos responsáveis pelo fórum;
IV ­ Regimento interno.
PARÁGRAFO ÚNICO: Na impossibilidade de entrega de algum documento, a escola­sede terá um prazo de 60 dias após a apresentação da candidatura para apreciação da Gestão em vigor. Na impossibilidade deste ato, abre­se a possibilidade de candidatura de outra escola­sede, preferencialmente da mesma região.

A partir disso, depois do prazo do estatuto e de tanto tentarmos e com medo de ficarmos sem Encontro Nacional, pois nada sabíamos de consistente da organização do ENEL, foi deliberado, em uma reunião presencial da Executiva no Pará, em meados de novembro, uma carta pedindo aos estudantes e executivos responsáveis pela CO ENEL que se pronunciassem quanto a organização do Encontro e enviassem à ExNEL um modelo de projeto e/ou a carta de aceite da Instituição. Mais uma vez, isso não foi cumprido. O

que conseguimos com a carta foi saber que os estudantes de SP queriam organizar o Encontro, porém, o planejamento de ser na USP não estava tinha sido aceito pela Instituição, por duas vezes tentaram e houve uma recusa, fazendo a comissão organizadora pensar em uma nova escola sede em SP.

Mais importante do que isso: fazemos aqui uma afirmação, a CO SP está totalmente desmobilizada, uma membra e executiva da ExNEL afirmou que não via como acontecer o ENEL em SP, além de não terem avançado em nada nos quesitos organizacionais. Assim sendo, tentamos uma última vez, tiramos na penúltima reunião que a Executiva de Comunicação nacional tentaria, novamente, um diálogo com SP e que na reunião do dia 02 de fevereiro o ENEL entraria como pauta. Através dessa última tentativa de diálogo, a Comunicação conseguiu entrar no grupo da CO ENEL e lá percebeu que a última mobilização, no grupo, para a organização do Encontro tinha sido em novembro de 2013 e mesmo assim, não tinha resposta da maior parte dos estudantes envolvidos. Para além disso, o diálogo com os executivos estudais de São Paulo e nacionais da região, que faziam parte da CO, não oferecia nenhum tipo de posicionamento ou de respostas às indagações colocadas por parte da Executiva.

Por fim, na reunião do dia 02 de fevereiro, no ponto de pauta ENEL, sem participação alguma de SP ou algum tipo de esclarecimento, deliberamos que MG, representada pela vontade da UFMG em organizar o ENEL 2014, poderia preparar toda a documentação necessária para apresentar no CoNEL e, caso os critérios de organização estejam corretos, ficará no Conselho Nacional definido a UFMG como sede do ENEL 2014. É importante deixar claro que a UFMG teve esta chance de se tornar escola sede prévia ao CoNEL, pois foi acordado, ainda na plenária final do ENEL, frente à votação da escola sede ­ SP ganhou por menos de 10 votos de diferença ­ que caso SP não conseguisse, MG ficaria como uma segunda opção para realizar o Encontro. Entendemos que o espaço para tal mudança seria preferencialmente o CONEL, mas este acontecerá com atraso, e assim não poderia garantir um tempo qualitativo para a organização do Encontro pela CO.

Compreendemos todas as revoltas e indagações daqueles que não acompanharam todo esse processo e já estavam preparadas para um ENEL em SP, mas a Executiva fez todas as tentativas necessárias para um ENEL em SP, e percebendo o risco que corríamos de não acontecer o Encontro, tomamos as providências já explicadas. Lamentamos o acontecido, mas entendemos que apesar de ser uma perda a troca de escola­sede do próximo ENEL, seria uma perda maior ainda para os estudantes de Letras do Brasil, que ficássemos um ano sem o nosso Encontro Nacional, espaço essencial para a organização do MEL e direcionamento dos rumos da ExNEL. 

 

Carta aos Estudantes de Letras

EREL NORTE 2013

1380071_561191300619535_544497782_nO Encontro Regional dos Estudantes de Letras (EREL) é um evento que visa proporcionar a integração entre o corpo discente dos cursos de Letras das Universidades da Região Norte do Brasil. O evento possibilita a promoção de um espaço de diálogos, troca de experiências e confronto de realidades entre os estudantes de Letras nortistas. Mas, para além disso, o EREL pode significar um grande estímulo à produção acadêmicocientífica, cultural e política no universo dos estudantes de Letras.

Ao longo dos cinco dias do encontro, serão travados importantes debates de natureza acadêmica, mas também serão discutidas questões de relevância social e política, que estão intrinsecamente ligadas às demandas de uma formação verdadeiramente crítica, sobretudo, que não deixa de lado a referencia social que toda construção estudantil precisa ter. Sem deixar de ressaltar a importância da cultura do Norte do Brasil.

O evento será realizado de 13 a 17 de novembro de 2013, na Universidade Federal do Pará – Campus Guamá e terá como tema “O Norte das raízes encantadas: a chuva que banha as cabeças e inspira a floresta das Letras”.

Mais informações: http://erelnorte2013.wix.com/erel-norte e http://www.facebook.com/erelnorte2013
Esperamos você no Pará!

 

Todo apoio a greve dos professores no RJ!

1277143_669069893111460_164110110_o

Todo apoio a ocupação da Reitoria da USP!

1268970_643799692331797_13611526_o

Dia da Visibilidade Lésbica – 29/08

“Dia 29 de agosto é DIA DA VISIBILIDADE LÉSBICA. O dia faz referência ao I Seminário Nacional de Lésbicas (Senale), que aconteceu em 29 de agosto de 1999, no Rio de Janeiro. Esta foi a primeira vez que mulheres homossexuais de todo o país se reuniram oficialmente em uma organização. Um resultado simbólico dessa luta é a colocação da letra L, de lésbicas, na frente da sigla LGBT. Este foi um primeiro passo para que o movimento homossexual se comprometesse com a causa do lesbianismo.

Com isso devemos apontar para a resistência diante dessa invisibilidade é ato importante na luta contra qualquer redução, apequenamento das mulheres homossexuais enquanto seres livres. A violência ou supressão desses grupos oprimidos, nesse caso as mulheres lésbicas e as bissexuais, não é notada por ser encobrida pela dupla opressão ― quiçá tripla quando se é negra ― sofrida cotidianamente: a mulher, de forma geral, carrega consigo o traço do machismo como imposição social e a lésbica, em uma especificidade ainda mais gritante desse machismo, carrega traços de desigualdade e preconceitos concernentes à homoafetividade, sendo muitas vezes relegada a suprir o papel fetichista da sua sexualidade. Ser mulher-lésbica ou mulher-lésbica-negra, até em grupos que se colocam frente às opressões, como feministas e LGBTs, pode ainda invisibilizar a sua luta, por suas pautas serem duplas ou triplas, o que torna mais difícil notar suas especificidades e demandas.

Hoje mais do que nunca, devemos nos lembrar da necessidade do combate à lesbofobia, além das outras formas de expressão de (des)valores desta sociedade que nos circunda, os quais são essencialmente machistas, racistas e homofóbicos.”

ExNEL 1

ExNEL 2

Ata da Plenária Final ENEL 2013 e Executivos Gestão 2014

Ambos serão divulgados no dia 2 de Agosto de 2013.

Agradeço a compreensão de todas e todos.

Luta, mobilização e alegria contra a homofobia!

Em tempos de conservadorismo e fundamentalismo religioso promovendo ações para combater o avanço dos direitos da população LGBT no Brasil, a semana do dia 17 de maio último foi mais uma semana colorida de conquistas e de luta por direitos de uma forma que somente este irreverente movimento proporciona.

Comemora-se o dia internacional contra a homofobia, na data em que a Organização Mundial da Saúde excluiu a homossexualidade da CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados), a partir daí inicia-se uma grande luta pela despatologização no imaginário social, além de diversas outras lutas pelo reconhecimento da cidadania da população LGBT que envolve, entre outras coisas, a criminalização da homofobia e o direito de casamento civil.

Cientes das delícias e das tristezas de exercer uma sexualidade não-padrão em uma sociedade hegemonicamente machista, racista e homofóbica; a militância do movimento LGBT foi à luta pressionou e conquistou, através de deliberação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o direito dos cidadãos LGBT de unir-se em casamento e converter contratos de união estável em casamento sem as burocracias anteriormente impostas.

Ainda nessa semana, aconteceu a IV Marcha Nacional contra a Homofobia em Brasília, na qual militantes do Brasil inteiro uniram-se para lutar em favor de direitos e manifestar-se contra a homofobia repudiando ações do setor conservador da política brasileira e também ações cotidianas de violência e preconceito a que os LGBT são submetidos dia após dia.

Entende-se que há alguns avanços, todavia os militantes em favor dos direitos humanos estão em alerta, pois sabe-se que há forças políticas que se beneficiam dos padrões hegemônicos impostos e necessitam exercer seu preconceito e discriminação para perpetuar-se em posições de destaque. Ainda temos muitas lutas, ainda há muito que se conquistar, a criminalização da homofobia é fundamental para legitimar esses novos tempos de celebração da liberdade individual. Por fim, mesmo tendo percorrido pouco do longo caminho em busca da cidadania, a alegria dos direitos até aqui adquiridos dão a sensação de que pouco a pouco estamos construindo uma sociedade mais respeitosa e mais consciente dos direitos de todos.

 

Welton Maicon – Graduando em Letras pela UFRuralRJ, ExNEL – Combate à Homofobia, Grupo Pontes de Diversidade Sexual